Postagens

Mostrando postagens de 2011

Em 2012... (Versão revisada de "Em 2010...")

Em 2012... 
Ligue para aquele amigo com quem você não fala há muito tempo. 
Se possível, arrume uma forma de vê-lo pessoalmente. 
Aprenda algo novo. Ponha a cabeça para funcionar. 
Quando o seu time jogar, torça. 
Se ele ganhar, comemore com prudência e respeito ao adversário (e não gaste muito tempo com isso). 
Se ele perder, lamente com bom humor (e não gaste muito tempo com isso).
Se ele empatar, espere a próxima partida. 
Valorize seu trabalho. Ele é o que financia a maioria das coisas que você desfruta quando não está nele. 
Ajude a quem precisa. Pode ser perto ou longe, um conhecido ou não.
Cumprimente as pessoas quando entrar no elevador. 
Cumprimente os porteiros, serventes, recepcionistas e tantos outros que fazem com que nosso dia seja o mais normal possível. Não se esqueça: eles não são mobílias e sim pessoas. 
Tente entender o outro. Um pequeno esforço pode trazer grandes frutos. 
Faça exercícios físicos. Seu corpo agradece. 
Alimente-se corretamente. Seu corpo agradece de novo. 
Leia bo…

Uma carta para 2012

Ano 2012, estamos a poucos dias de nos encontrar. Vou lhe confiar um segredo: Não agüento mais 2011. Foi um ano complicado, pesado, com muitos conflitos e mudanças. Uma nova ordem foi imposta. Me senti como estivesse num desses joginhos de dados e caísse numa casa que tivesse a mensagem: “Volte 10 casas”. Tive que voltar, joguei os dados novamente e ainda não veio aquela combinação que me faria avançar várias casas novamente.
Confesso que estou torcendo por sua chegada e ao mesmo tempo tenho certo medo de sua estada. Um paradoxo, sim, mas é o que sinto. Você tem mais jeito de encruzilhada do que de caminho. Ou a coisa vai, ou racha. Não tem jeito e eu ando bem cansado de ver as coisas rachando. Eu só quero que você seja bacana comigo. Eu preciso disso! Novos ares, novas paisagens e novas possibilidades. Que a vida seja mais prazenteira comigo e com os que eu amo. Que os dias sejam mais leves, que a grana entre, fique e não apenas passe. Que eu comece a construir as bases sólidas para a…

O Necessário

A um homem é necessário sonhos.
É necessário uma casa, um lar.
Um punhado de amigos fiéis.
Um bom terno, para eventos e eventualidades.

A um homem é necessário um trabalho que o honre.
Um salário que lhe permita viver dignamente.
É necessário certo conforto.
Ele merece também algum descanso.

A um homem é necessário um lugar para chegar.
Muitos livros, música. Muita música.
A um homem é necessária arte.
O riso é descanso da alma.

A um homem é necessário um amor.
O amor é delicioso desafio. Sorriso involuntário
Faz do homem menino-pássaro. Ele remoça e voa.
Beijos e abraços.

A um homem é necessário Deus.

Novos Pobres.

Quase 200 pessoas foram presas, após enfrentamento entre manifestantes do Ocupem Wall Street e a polícia de Nova York. Já fazia quase um mês que a turma estava acampada na região. Motivo? Um protesto contra o sistema financeiro. Talvez uma das maiores ironias dos últimos tempos, os americanos estão reclamando do sistema que fizeram dos Estados Unidos o que são hoje ― ainda serão por um bom tempo a maior potência do planeta.

Esse paradoxo dos tempos atuais tem seu lado irônico, mas também seu lado trágico. O irônico é muito naquela linha “basta estar na chuva para querer um guarda-chuva”, quando os americanos, ao perceberem que seus empregos e renda estão se esvaindo, vão as ruas reclamar como os outros povos de qualquer lugar do mundo. Inclusive os povos do chamado mundo subdesenvolvido. E a policia nova-iorquina, por sua vez, age como a truculência de qualquer polícia. Inclusive as do mundo subdesenvolvido.

Mas o lado trágico é o que mostra um povo que mesmo preparado para viver anos e…

Esclarecimentos

Não ser trister não significa ser feliz. Fazer o bem a si próprio nao é ser egoísta. Ter um bom emprego não é igual a fazer o que se gosta. Festa da firma não é divertimento, mas sim trabalho com trilha sonora. Gostar muito não é o mesmo que amar. Nem toda comida caseira é gostosa. Nem sempre conselhos são para o nosso bem. Ter religião não é cre em algum deus. Onze caras uniformizados não configuram um time de futebol. Estar rodeado de pessoas não signifca estar acompanhado. Estar sozinho não signfica ser solitário. Um copo pela metade sempre será um copo pela metade. A paixão muitas vezes não é cega.

Amigos

Os meus amigos, eles sabem quem são
Os amigos da conversa descompromissada, sem cronômetro e sem amarras
Os amigos do abraço generoso, do sorriso e da lágrima
Da risada, da bronca, do alerta
Da saudade e do reencontro

Os meus amigos, são como presentes queridos
São como canções favoritas
A roupa mais confortável
A comida de mãe

Os meus amigos, são como o espelho
Me vejo neles
Conhecem meus defeitos, minhas dores, minha força
Retratos da minha história
Pegadas da minha caminhada

Os meus amigos, eles sabem quem são
Os meus amigos, eu sei quem são

Esquisitices de um dia 31 de outubro.

Dia esquisito hoje, 31 de outubro de 2011.

Um ex-presidente sendo motivo piada de mau gosto, por causa de seu câncer. Fiquei impressionado com fúria irracional de tantos racionais. Não gostei do governo Lula em muitos aspectos. Este blog foi espaço para expressar minha contrariedade com uma série de episódios da dinastia Lula. Mas daí a deseja que o homem se dê mal em seu desafio contra o câncer é demais.

As mesmas pessoas que gastaram seu tempo mandando o Lula para o SUS, dizendo que ele deveria enfrentar as filas da rede pública de hospitais em busca de tratamento nem deram papo para a fuga de Marcelo Freixo, o deputado que combate as milícias no Rio de Janeiro, para outro país, por causa das ameaças de morte a ele e a sua família.

O que é mais grave? O Lula no Sírio e Libanês e não no SUS, ou um deputado ameaçado de morte por cumprir seu papel?

Hoje faz 109 anos do nascimento de Carlos Drumond de Andrade. Talvez o poeta brasileiro mais marcante do século XX. Ninguém fala quase nada. Ho…

Produto Vencido

Começo pela conclusão:
O grande problema de se dar poder e a sensação de grandeza a um idiota é que ele via de regra acredita.

A frase acima é fruto da reflexão sobre o idiota da vez, Rafinha Bastos. Com a propagação da tecnologia, qualquer um pode ter um microfone, ficar na frente de uma câmera e falar o quem bem entende (se é que entende). Com a falta de gênios, qualquer um vira gênio. Com o excesso de burrice, qualquer gracinha mais elaborada vira uma piada sensacional. Com a efemeridade das coisas, os produtos devem ser renovados rapidamente. Na TV não é diferente.

Rafinha faz parte de uma geração que é uma espécie de galango do deserto do humor brasileiro. Depois do dominío do humor televisivo por gente como Chico Anísio, Jô Soares, a turma dos Trapalhões e posteriormente o Casseta & Planeta, um lapso se formou. Apareceram os caras do Pânico, que depois de sucesso absurdo, entraram numa de perturbar as pessoas e não mantiveram o ritmo do programa de rádio. Veio a onda dos stand …

Da série "Me engana, que eu gosto.": Rio, a cidade do esporte.

Sabe lenda urbana? Tem uma coisa que eu acho que está virando:

O Rio de Janeiro é uma cidade com vocação esportiva.

É mesmo?

No dia 06/09/2011, o site Bora Treinar divulgou uma nota oficial da Federação de Triathlon do Estado Rio de Janeiro, onde seu presidente informa, “com constrangimento e muita indignação”, o cancelamento da etapa de Aquathlon (uma modalidade de prova que engloba natação e corrida) do mês de setembro. A prova aconteceria no dia 25 do mesmo mês, sendo que seu agendamento estava confirmado e ratificado junto à Secretaria Municipal de Esporte e Lazer desde o início do ano. De repente, encima do laço, a sub-prefeitura da Zona Sul solicita à Federação que a data seja alterada por causa (pasmem) do Rock in Rio. Alegando que o fechamento de uma das pistas da orla de Copacabana poderia atrapalhar o evento, que acontece na Barra da Tijuca. A entidade esportiva deu como alternativa o dia 02 de outubro, mas as autoridades insistiram no mesmo argumento de que isso atrapalharia o…

Explicando Deus

Rotina de qualquer pai: responder a perguntas difíceis que os filhos fazem. Geralmente, encobertos por sua inocência, eles não têm a noção da profundidade dos questionamentos que nos apresentam.

Hoje, a pequena me faz a seguinte indagação: "Papai, como Deus me ama seu eu não consigo vê-lo? Ele não me abraça como você faz, eu não sei se ele está aqui, ele não brinca comigo."

Eu não podia demorar na resposta. Uma criança de cinco anos me colocando diante de um questionamento que grande parte da humanidade se faz. Mas, justamente por sua pouca idade, adiar a resposta seria um erro enorme. "Filha, o amor de Deus não aparece da mesma forma que o amor do papai", disse eu. Continuei. "Deus criou um monte de coisas para mostrar esse amor. O sol que nos ilumina e nos faz aproveitar a praia, a piscina e as voltas de bicicleta na Lagoa Rodrigo de Freitas. A chuva que faz as plantas crescerem e refresca a terra quanto está muito calor. O trabalho que nos permite ter roupa,…

Cada Gideão com os seus Trezentos

Uma das passagens mais interessantes do Velho Testamento é a história de Gideão (também conhecido com Jerubaal). Ele viveu no período dos Juízes ― guardiões da Lei de Moisés, que zelavam para que o povo hebreu dela não se afastasse. Gideão foi um juiz, o quinto, seguindo o relato bíblico. O significado do nome Gideão é variado, pode ser “destruidor”, “lenhador” ou “guerreiro”. O Velho Testamento da Bíblia nos ajuda a entender a origem das tensões que existem entre árabes e judeus. A coisa é milenar e não vai acabar tão cedo (mas isso é outra história).

O episódio que tornou Gideão não apenas um juiz, mas um “herói da fé”, foi a batalha ocorrida entre judeus e midianitas, nômades que viviam nos desertos da Síria e da Arábia. Os midianitas constantemente atacavam e pilhavam o povo hebreu. Em um destes ataques, os irmãos de Gideão foram assassinados. Gideão se rebela e se torna uma espécie de libertador de Israel. Ele recebe uma revelação e convoca um exército para ir a Midiã atacar seus…

Decisões

As decisões que tomamos são estopim para o nosso futuro. Coisas simples, como levantar ou não quando o despertador toca de manhã. Ou complexas, como investir nosso dinheiro ou a decisão de comprar uma casa. Ninguém pode fugir de tomar decisões. Nem você, nem eu. Até não tomar decisões é um ato oriundo da decisão de deixar que façam isso por você. Cada decisão provoca uma cadeia de eventos.

Na vida eu tomei algumas decisões. Acertei precisamente em algumas. Já outras foram acertadas como as cobranças de pênalti da seleção brasileira, contra o Paraguai na Copa América. Em todas algo em comum: uma conseqüência. Elas foram tomadas na busca do melhor para mim e para os meus queridos (os passados e presentes). Se errei, foi tentando o acerto. Foi influenciado pelas circunstâncias, pelo entorno, por (não) ouvir as opiniões alheias, por (des)conhecimento de causa, etc. Mas sempre buscando o melhor. Hoje pago e ganho pelas decisões. Daqui a muito pouco terei que tomar uma decisão. Depois outra,…

Bulling uma ova.

Eu não escrevi sobre o massacre de Realengo por dois motivos: porque estaria fazendo o que todo mundo faz (o que colide com a filosofia deste blog) e porque depois de certo distanciamento temporal, as idéias ficam mais claras. Agora, talvez com mais clareza, eu possa dividir ―ou multiplicar, no caso da Internet ― o que ficou para dessa história toda.

Pouco ou quase nada se discute sobre a formação de uma mente doentia do assassino, nem se questiona as condições em que ele foi criado, como sua personalidade foi formada, o porquê da escola não ter percebido possíveis problemas e não ter dado a orientação aos responsáveis do (então) garoto. Contudo, vimos e vemos uma onda crescente de mesas redondas, debates, programas de televisão, reportagens de jornais e revistas falando sobre o bulling. O bulling virou o vilão, o culpado, a mola propulsora para desvarios e assassinatos em série. Devagar com o andor, minha gente.

Eu sofri bulling. E não foi na escola, não. Foi na igreja (batista) mesmo.…

Como se não houvesse amanhã. Uma mensagem para filhos e mães.

Imagem
É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã.
Por que se você parar pra pensar, na verdade, não há.
Trecho de “Pais e Filhos”, de Renato Russo


Ficar sem mãe não é legal. Hoje a minha dúvida é se esta ausência é pior quando somos muito pequenos, adolescentes, jovens ou mais velhos. O mais provável é que, em cada fase, a dor se revela de forma diferente. Quando minha mãe morreu, eu tinha 26 anos e minha irmã vinte e três. Ambos na faculdade, realizando coisas, naquela fase da vida em que tudo acontece rápido e que as novidades são paradoxalmente rotineiras. Ela, mesmo sendo mãe pela primeira vez aos 34 anos (num tempo em que a regra era ser mais antes dos trinta invariavelmente), era de uma vitalidade impressionante. Foi retirada de cena de forma repentina, surpreendendo platéia e até atores com ela contracenavam. Lembro da última brincadeira, da última réplica a uma gracinha feita por mim, do último agarrão (Sai daqui, garoto!). Ela era o nosso ponto de equilíbrio. Era mãe.

A mor…

Senta aí e toca.

A polêmica no meio musical carioca é prova aplicada pela direção da Orquestra Sinfônica Brasileira aos seus músicos, com a demissão por justa causa a quem não comparecesse. Vou colocar pimenta no acarajé: achei maneiro.
A OSB emprega seus músicos no regime da CLT. Pode, portanto, exigir que os mesmos sejam submetidos a processos de avaliação a qualquer momento. Quem nunca passou por isso nas empresas em que trabalhou? Quem não teve seu bônus de fim de ano atrelado a algum tipo de avaliação de desempenho? Faz parte do jogo. As empresas (e a OSB é uma) buscam excelência e querem ser reconhecidas por isso ― o famoso share of mind, tão falado no marketing. Pois bem, assim foi feito na OSB. Ou pelo menos se começou a fazer. Os músicos estão doídos (compreensivo). Alguns exaltados, outros cabisbaixos. Alguns não foram à prova e foram demitidos. Talvez iludidos pela vaidade e arrogância. Mas a maioria lembrou que a parte mais sensível do corpo humano é o bolso. Salário no final do mês é bom e…

Acredita

Minha pequena tem medo de escuro. Busca logo um interruptor e se apavora quando falta luz. No corredor do andar tem um sensor de presença. Abrimos a porta e tudo escuro, o sensor demorou a acionar as luzes do corredor. Ela, que adora sair em disparada, travou e disse: “Papai, está escuro. Estou com medo.” O que dizer para ela?

Vai, filha! Acredita!

Ela acredita, ela corre, luzes acendem como mágica. Pulos e risadas de alegria e surpresa.

Essa é a vida. E essa tem que ser a nossa relação com o Pai.
Está escuro? Acredita.
Está difícil? Acredita.
Está se cansando? Acredita.
Se ninguém acredita? Acredita.
Se está deixando de acreditar? Volte atrás e...

Acredita.

Quero ver

Ser engraçadinho é fácil.
Quero ver ser inteligente.
Fazer elogio é fácil.
Quero ver falar a verdade.

Prometeu?
Quero ver cumprir.
Iludiu?
Quero ver realizar.
Plantou?
Quero ver preservar.

Tem gente que diz.
Quero ver estar.
Tem gente que aparece.
Quero ver ficar.
Tem gente que passa.
Quero ver permanecer.
Tem gente que fala.
Quero ver fazer.

Quero ver.

Obrigado, Fenômeno

Um menino como todos os outros. Errado. Destinado a ser o melhor do mundo, o artilheiro de todas as Copas. Ronaldo Nazário encerra sua brilhante carreira.

Dispo-me de minha mágoa rubro-negra para reconhecer o craque que Ronaldo foi. Dos Ronaldos, para o Flamengo o Angelim é mais importante (quem sabe o Gaúcho também o seja). Mas como brasileiro, tenho gratidão ao que o centro-avante rompedor de Bento Ribeiro nos proporcionou. O jogo mais marcante para mim do Ronaldo na seleção foi o jogo contra a Holanda, na Copa da França, em 1998. Ele estava fininho, voando, jogou muito. Assisti a esse jogo sozinho, sei lá porque, não havia ninguém em casa. Foi o melhor jogo da Copa, mesmo decidido nos pênaltis. O mais importante, claro, a final contra a Alemanha, na Copa de 2002. Fechando de vez o caixão dos céticos à volta de Ronaldo, depois da contusão gravíssima no joelho.

Ronaldo tem sido motivo de chacota, há algum tempo. Foi personagem de escândalo com travestis, é detentor de um excesso abusi…

Fora da Regra

A vida é bela. Mas não é filme. A vida pode ter final feliz, mas o seu curso não é uma comédia. Não somos vítimas o tempo todo, somos algozes também. Justiça não é um conceito absoluto e não é cega. Os amigos também nos decepcionam. Nossos pais não são perfeitos e nós idem. A grandiosidade de uma pessoa nem sempre será visível aos olhos de todos. Ninguém está livre da dor. Um sorriso é um excelente disfarce para a tristeza há no fundo do peito.

Entender (ou pelo menos tentar) estas e outras coisas nos ajuda a passar melhor o nosso tempo terreno. Somos moldados, ensinados, doutrinados a viver e buscar um modo de vida perfeito. Tudo certinho, nos conformes, sem sustos, atropelos, decepções ou derrotas. Como se a felicidade só fosse revelada de uma forma. Como se todos nós temos que ser Luciano Hulk e Angélica na capa de Caras ou na reportagem principal da Veja. Você pode até ser feio (ele), mas tem que ser bem sucedido. Você pode até ser de origem pobre (ela), mas tem que ser linda, tale…