Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2014

, amor...

Em meio a toda dor De todos os modos Venha do jeito que for É preciso, amor
Depois de tanto correr De tanto procurar  E não saber É buscado, amor
De tanto desencontros Num mundo de espantos Planos e desenganos  É agora, amor
Não temos tempo  Temos tanto tempo  O muito e o pouco  É você, amor
Que eu preciso  Que eu reviso  Eu não desisto De você, amor 

(Alexon Fernandes) http://blogretratosescritos.blogspot.com.br/

Tardes

Aquelas tardes
Mornas tardes...
Em que te via
E esperava antes cada segundo
E me preparava como se o mundo
Acontecesse à tarde

Aquelas tardes
Felizes tardes...
Em que te dizia
E fazia meus projetos
Rasgava os decretos
E criava nosso mundo numa tarde.

Aquelas tardes
Azuis tardes...
Em que te beijava
E mostrava o meu amor
Que em seu fulgor era o sol
Dos meus dias que nasciam à tarde.

(Alexon Fernandes, blog Retratos Escritos, blogretratosescritos.blogspot.com.br)

Que o amor...

Que o amor nos encontre Que eles nos faça de casa Que ele nos dê asas
Que o amor nos confronte Que nos tire do lugar Que nos faça mudar 
Que o amor nos mostre  Que uma receita não há Que no final, ele (o amor) é o que vai ficar. 

(Alexon Fernandes) http://blogretratosescritos.blogspot.com.br/

Beleza em movimentos.

A beleza também vive nos movimentos. Isso. Quem nunca achou a beleza nos movimentos de alguém? No andar, no gesticular, ou em tantos pequenos trejeitos que nos encantam e nunca mais saem da nossa memória. 
Como se o movimento eternizasse aquela pessoa. E, dependendo do nível de convivência, essa beleza se expressa nos momentos mais inusitados. É o jeito de folhear as páginas de um livro, de escolher as roupas no armário, ou até de dirigir o carro. 
Eu lembro de como era bela a rotina da hora de almoçar de alguém que viveu muito íntima a mim. Como ela carregava a bandeja, como manuseava talheres e decidia o que comeria primeiro. A minha comida esfriava por causa do meu namoro aos movimentos dela. 
A beleza se eterniza em movimentos? Pode ser... O encantamento e a admiração se expressam até em movimentos. Até porque os movimentos, em tese, são expontâneos e por isso são a genuínos. 
É isso que nos amarra a alguém. O que ela é por si só.
(Alexon Fernandes)

Talvez

Talvez fora de hora
Talvez tenhamos que ir embora
Talvez não seja agora 
Talvez mundo afora 

Talvez mais uma vez
Talvez nada do que crês 
Talvez tudo o que vês 
Talvez o que de nós se fez

Talvez envelheça
Talvez de tanto talvez pereça
Talvez cresça
Talvez nunca se esqueça

(Alexon Fernandes)

Não teve Copa.

A derrota de hoje é do futebol brasileiro em todas as instâncias. Das escolinhas aos gabinetes da CBF, não há mais o que esconder. A Seleção Brasileira é o que temos de melhor. O problema é que nosso melhor não é o suficiente. Nossos campeonatos são um fiasco, nossa base é negociada ou "queimada" prematuramente, nossos times são de estruturas caricatas. 
Apontar culpados é perder tempo. O futebol brasileiro precisa começar de novo. Baixar a crista e entender que outras escolas têm a nos ensinar, principalmente no planejamento de longo prazo, na estrutura dos clubes e na organização e qualidade dos campeonatos. 
A Alemanha jogou o seu jogo. Honrou seu adversário e se apresentou de forma grandiosa. Nos apequenamos e temos que nos tornar grande novamente. O Brasil não foi Brasil. Ou talvez tenha sido mais Brasil que nunca. Parabéns, Seleção Alemã. Seu futebol é um dos mais vistosos e eficientes jamais vistos.
Não teve Copa. Não para o Brasil.

Vento e Folha

Num tempo de vento
A fugaz folha voa
Quase morta em torta
Trajetória, transitória 
Qual sem memória

Momento nada atento
O som que soa 
De ar que assobia 
Fôlego que se esvaía
Alma quase vazia 

E da folha vôo alento
A alegoria ecoa 
Descubro-me rebento
De uma paz que não se via
Agora dela m'alma sacia 

Deixa Chorar.

Sobre o choro dos jogadores da Seleção Brasileira eu pergunto: Qual o problema de marmanjos milionários chorarem? Não seriam tão humanos quanto eu e você? Estariam eles numa casta superior, que os imuniza do choro ou de qualquer emoção oriunda de uma situação de pressão? 
Nenhum de nós jogou uma Copa do Mundo. Ainda mais dentro de nosso país, em estádios gigantescos, num momento político delicado e com uma organização tão criticada. E, com todo prestígio que desfrutam, os jogadores da Canarinho são um dos poucos pontos vistos com bons olhos. Qualquer um de nós nesta situação sentiria o peso. Há 10 anos, a maioria deles era de meninos pobres e desconhecidos. Hoje são estrelas mundiais representando um país. Mais que a pátria de chuteiras, eles são as chuteiras de uma pátria inteira. 
Choraram (você choraria), mas ganharam o jogo (você ganharia?). Da mesma forma que o corpo se machuca com as pancadas dos adversários, a alma sente as pancadas psicológicas. Do mesmo jeito que ortopedistas e…