Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2013

Sobre as capas de revistas.

As mulheres sempre foram observadoras de si mesmas. Nos detalhes, cada um deles. Elas sabem exatamente a cor do esmalte que as outras estão usando, as diferentes tonalidades de cor de cabelo, se aquele corte está na moda ou se o sapato que a Fulana está usando na festa é o mesmo que a Beltrana usou no casamento da Sicrana.
É típico da mulher observar e se observar. São horas de espelho. Qualquer superfície polida pode ser espelho. São cremes, batons e tantos outros cuidados e adornos que meu cérebro masculino não absorve nem um centésimo desse conhecimento. Isso sem contar os famigerados dois quilos (quase folclóricos) que as mulheres sempre querem perder.
Por falar em quilos, vêm à lembrança as capas de revistas de moda feminina. Verdadeiros cultos à irrealidade. Modelos esquálidas, chapadas, restas e retocadas (ou seriam refeitas?) pelo Photoshop. Aquilo não é uma verdade, pois sim uma mentira muito bem contada, ao longo do tempo. A mentira de que perfeição e beleza estão diretamente …

Dois

Nada mais que dois
A sós, os nós desfeitos
Defeitos, perfeitos
Como que feitos
Um para o outro
Um encontro
Estrondo e silêncio
Paz do cansado prazer
O que há de ser
Não querem saber
Somente adormecer

O que tem...

Tem a correria, acordar cedo Sem tempo de dar adeus Sem tempo de falar com Deus Tem o transporte difícil, cheio, quente Quanta gente... Tem o trabalho que se acumula Tem a pressão, tem a tensão  Da incerteza, muitas vezes falta clareza Tem a comida cara, tem a escola dos guris Tem dela a boca rubi Tem a carne e o perfume Tem a vontade e o ciúme  Tem a família  Tem a pilha de contas Tem o que sai da conta Tem o que não é da sua conta Tem plano, de saúde, de previdência,  Tem o governo. Quem? Não tem Tudo que não vem... Tem o sonho e a realidade A ilusão e a verdade  Tem a amizade e a falsidade.  Tem o mar e o Maraca Tem o amar e o prazer Tem a libido e a brochada Tem o que funciona e o que falha Tem o machucar e o doer Tem o interior e a fachada Tem o que ajuda e o que atrapalha Tem uma vida toda pra viver E não tem nada melhor que valha.

Era

Era mar era areia Era sal era sol Era vento era calmo Quisera Eu quis Era, ela Quem dera... Era primavera

Os teus

Os ângulos de teus maxilares
Os teus cílios salientes
As pintas da tua pele
A tua pele...
O teu queixo bem formado
O teu cabelo derramado nos ombros
Teus ombros...
Teus braços um tanto longos
Tuas mãos delicadas, decoradas em vermelho
Teu quadril covarde
Tua cintura, maldade...
As tuas coxas fortes
As tuas panturrilhas salientes
Mas é tua boca... 
Que fala, que diz
O que a Deus eu fiz?
Beija-me, boca
Da louca que exala esse cheiro
Teu cheiro...

Sorrisos

Raros sorrisos Caros sorrisos Diárias surpresas De cotidianas belezas
Claros sorrisos Sem claros motivos Que nos lembram vivos
Que nos esquecem tristezas

CONTO Nº. 02

Era domingo.
Fria manhã. Ela acordou mais cedo que o usual. Sentiu-se estrangeira na própria cama, apesar do cenário batido. Fechou os olhos, na ilusão de que, ao abri-los novamente, tudo poderia mudar. Não mudou. 
Ela ouvia a respiração profunda, pontuada, incômoda. Tudo se tornara incômodo. Não o reconhecia mais. Não se reconheciam mais. Ele era o homem que ela julgou que amaria para sempre. Não que ela tivesse deixado de amá-lo. Talvez, sim... Provavelmente. Mas era difícil aceitar. Já não havia mais o ânimo de antes, a vontade, o brilho. Não era a rotina, não eram problemas. Simplesmente não era. Mais nada. 
Levantou. Pela fresta da persiana, ela notou as poucas gotas de chuva. Olhou para a cama e percebeu que se ela desaparecesse o sono dele não seria interrompido. Mudou a roupa, lavou o rosto, calçou um par de tênis. Foi à cozinha, bebeu água. Saiu. No espelho do elevador, via-se por inteiro. "Merda. Engordei.", pensou ela. Mesmo assim, enxergava-se bela. Como era bela! T…