Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2014

A pior parte do corpo é o umbigo.

Eis que entra no ar a famigerada série “O sexo e as Negas”, de Miguel Falabella, exibida pela TV Globo. Uma das mais descaradas, cretinas e repulsivas caracterizações da mulher negra na televisão brasileira. Quiçá a pior de todas. Quatro mulheres negras que simplesmente resolvem seus problemas com... sexo.
Descartando a disfarçada apologia às drogas e ao tráfico (através dos funks “proibidões” na trilha sonora), o que se vê é um esculacho da figura da mulher negra comum (leia-se classes mais pobres, moradora de bairros tão pobres quanto). Vindo de Falabella, nada me surpreende. Ele é dado ao escracho, uma espécie de escracho-chique, uma linguagem com tom mais alto, geralmente interpretada por atores brancos, com linguagem popular, misturando termos da norma culta com erros (propositais) de concordância, geralmente depreciando o pobre, o preto, o aleijado, o gordo, o feio e o gay com baixo poder aquisitivo (a bicha pobre). Nunca o biótipo de quem interpreta a esquete, o alvo é sempre o …

Dias Contados

Teus dias estão contados
Cada um deles
Conto os dias que não lembro de ti
E os dias que não lembro que lembrei de ti
Conto cada dia, quase mania
Coisa regrada, feito tabuada
Vezes um, vezes dois, vezes três...
Os dias em que sol fez
Os dias em que choveu
De contar dias vivo eu
Essa é minha sentença
Centenas, dezenas, unidades
Já são de dias milhares
Mas se chegar o dia em que eu pare
E num milagres tu voltares...
Esquecerei das contas que fiz
Só lembrarei do bem que te quis

(Alexon Fernandes, em Retratos Escritos - blogretratosescritos.blogspot.com.br)

Tem de tudo.

Tem bem que dói que nem maldade, Tem mal que é doce que nem bondade, Tem paixão que não deixa saudade, E raiva que só fica na vontade. 
Tem feiura que é verdade,  Tem beleza que é pura falsidade, Tem caridade que é vaidade, E vergonha que se perde com a idade. 
Tem paz que é coisa covarde, Tem "não" que é liberdade, E amor que chega tarde.
(Alexon Fernandes)