Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2012

Falta Ousadia.

Previsão de crescimento do PIB para 2012: 1,2%, sujeito à revisões para menos. O que era considerado uma piada pelo ministro da fazenda, Guido Mantega, mostra-se uma realidade nada engraçada. O país parou. Essa é a verdade. O que no fundo se revela é a incapacidade do Brasil de dar braçadas além da onda. Estivemos sempre "surfando" nos últimos anos. Surfamos no crescimento mundial, e na "marolinha" da crise mundial (como se faz piada com coisa séria!). A onda da bonança acabou e a marolinha se mostrou enorme. 
Ter fundamentos econômicos sólidos não se mostrou o suficiente para nos colocar num ciclo virtuoso e sedimentado de crescimento. Combate à inflação e à pobreza são importantes, mas não é tudo. O governo, com seu tamanho paquidérmico, se afunda nas rubricas de custeio e não tem como investir. Nossos níveis de industrialização ainda são baixos, comparados à nossa população e a países de economias de portes similares. E, fato gravíssimo, temos níveis de educação …

Oração

Meu Deus, eu sou grão de areia, sou fraco e pequeno perto de tudo que representas. Mesmo assim, tens misericórdia de mim. Tens cuidado de mim, mesmo que tantas vezes eu nem mesmo me dê conta disso. Obrigado.
Por tantas vezes, percebo que, se não fosse tua compaixão, eu não estaria aqui. Eu talvez nem vivo estivesse. Sou falho e cheio de limitações. Nem por isso me abandonas. Obrigado.
Nem sempre sou fiel. À despeito disso, caminhas ao meu lado. Sob sol escaldante, fazes a sombra que me apara. Sob nuvens escuras, me guias com tua luz. Doenças não têm me ferido, nem a morte atingido os meus. Obrigado.
Por vezes, me sinto só. Contudo, de forma doce e tranquila, sinto a tua mão se estendendo a mim. Ensina-me o caminho, meu Deus. Tira de mim a dúvida, a incerteza e o medo. Dá-me sabedoria para entender os momentos difíceis e assim aprender as lições. Leva-me em tuas asas e faça-me voar alto.
Não sei se merecerei tais coisas. Mas que sua vontade seja feita. Hoje e sempre.
Amém.

(Quase) Tudo Certo.

Ela estava ali, sempre, do lado, tão perto. Tão esquecida. Tudo funcionava bem.  A casa arrumada, a comida pontual, as roupas limpas e cheirosas, as crianças na escola. Os seus amigos a adoram, seus pais também.
Ela não esquece datas, contas a pagar, não se atrasa para o trabalho. Ela estudou, se preparou, foi promovida e não saiu dali. Ela amadureceu, já é plena de idéias e sentimentos. Ainda é cheia de desejos e sonhos que você não ele não se deixou apresentar. Ela quis, deu a entender e você fingiu ignorar. "Ela anda com uns pensamentos estranhos. Que saco!", pensou você. Ela ainda é bela. Diferente, mas bela. A saborosa fruta mordida que Cazuza cantou. Você cada vez mais seguro. Da segurança vem a distância dos beijos formais, das transas rituais e dos assuntos habituais, quase relatórios semanais.
Eis que surge alguém. Ele talvez não seja mais viril, mais rico, mas forte ou mais novo que você. Mas ele a olha diferente de você. Ele a olha nos olhos, ouve com atenção. Dos …

Inocência?

Assisti o tal Inocência dos Muçulmanos, ainda "em cartaz" no Youtube. O filme é ruim demais. Os seriados de super-heróis japoneses dos anos 1970 e 1980 são melhor produzidos do que esse lixo. O filme é dublado e remendado de forma grotesca. As vozes mudam quando as adulterações nas falas originais são feitas. Algo como um personagem interpretado pelo Tarcísio Meira que, de repente, aparecesse com a voz do Zacarias. Aí me veio a pergunta: Como alguém pode dar crédito a esta porcaria?
O problema é que tem gente que dá. Problema maior ainda são os que não dão e fingem que dão. Intencionalmente. Vejam, o filme tão ruim, tão inverossímil, que  nem Mahmoud Ahmadinejad, um sujeito que duvida do holocausto, fez festinha com o caso. Logo, quem está usando o pretexto para promover uma chacina de cães infiéis yankees é gente pra lá de intencionada. "Fundamentalistas", dirão muitos. "Sim", concordariam outros. Mas de quais fundamentalistas estamos falando? Os que quei…

Assim Você Mata o Papai - Uma crônica sobre o lixo musical na atualidade.

Uma vez ouvi que a cantora Nana Caymmi disse que se pudesse falar com Elis Regina, contaria que certas coisas não haviam mudado. Pois, se no tempo de Elis tinha a Gretchen com seu Conga Conga Conga, naquele momento o que estourava eram duas dançarinas Segurando o Tchan, sucesso grudento que infernizou os ouvidos nos anos 1990. Não sei se o episódio é real, mas ele retrata bem o fato de que sempre se ouviu e viu coisa ruim. Mas agora os níveis são preocupantes.
Fenômenos como os citados acima são normais na história do entretenimento. Alguém aparece fazendo algo descartável que fica nos ouvidos da massa, conquista as paradas de sucesso, ganha um caminhão de dinheiro e depois desparece. Na década de 1970, um cantor chamado Silvio Brito lançou Farofa, com um refrão peguento. Depois disso, ele e sua farofa desapareceram. A década de 1980 foi rica em junk music. Sérgio Mallandro com sua Vem Fazer Glu-Glu é um bom exemplo. Só não foi pior porque nesta mesma época começaram a aparecer as band…

Pai, perdoa-nos.

Pai, perdoa-nos
Maltratamos a natureza
Poluímos o nosso ar e nossas águas

Perdão, Pai
Por esquecermos de ajudar o próximo
Por desprezarmos a pobreza e a fome alheia
Por venderemos e comprarmos armas
Fabricamos drogas e destruímos famílias

Misericórdia, Pai
Somos como néscios
Dirigimos alcoolizados 
Somos racista e sexistas 
Nos deste tantos dons e talentos
E só queremos o lucro

Pai, perdoa-nos
Matamos em teu nome
Roubamos em teu nome
Enganamos em teu nome 

Perdão! Perdão!
Pela mentira de nossos relacionamentos
Pelo consumo sem sentido
Pela má educação de nossas crianças

Perdoa-nos
Não sabemos o que fazemos.

Cinquenta Tons de Cinza – A culpa é dos homens.

Febre, best seller, hit. Chamem do que quiserem. O fato é que o tal Cinquenta Tons de Cinza é o acontecimento no mercado editorial mundial e comentado nas mais variados grupos femininos. Um mote mais do que batido, no estilo daqueles romances de banca de jornal, com pitadas de sexo explicito e com detalhes descritivos que encantam as mulheres. Uma receita e tanto para bombar nas vendas.
Entre as mulheres, três grupos: Um grupo das que se encantam e devoram o livro como uma leoa faz com sua presa. Um segundo que detestam o livro por acharem que ele não passa de um clichê em que a mulher é novamente colocada no papel de iludida, que acha que vai mudar o amado. Este homem, obviamente, bonito, viril, misterioso e, claro, (muito) rico. O terceiro grupo, sempre tem, o das mulheres alienadas à publicação, pelos mais variados motivos.
À despeito de discussões femininas ou libertárias, vou me atentar ao primeiro grupo, o das leoas famintas.  Tem livros que são menos interessantes que seu público…

De mal a pior

A cidade é onde vivemos. Nossa rotina é vivida nela. Moramos, trabalhamos, usamos os meios de transportes, passeamos, estudamos, praticamos esportes, buscamos ser felizes e tantas outras coisas inerentes à vida cotidiana numa urbis, por menor que ela seja. Pressupõe-se que o zelo por esta organização geográfica seja feito por pessoas que realmente desejem não só a sua preservação, mas a melhoria de seus espaços urbanos. É somente um pressuposto.

As eleições municipais de 2012, no Rio de Janeiro, têm surpreendido pelo baixíssimo nível (até intelectual) dos candidatos a vereadores. De um lado, a turma de sempre. Aquela que diz que tapa o buraco, que promete a iluminação da rua e o asfalto do bairro. Do outro, a minoria. Aqueles que pensam numa cidade com os pés no chão e olhos do futuro, com modernidade e de justiça social. Mas a grande maioria é de gente nova com modos (quando os tem) tão velhos quanto o nosso passado colonial e cartorial, de um lugar que não foi feito pra dar certo. 


Se…

Pra quem tem medo da chuva.

Pra quem tem medo da chuva É preciso vê-la surgir  Gotas irão fluir Do céu cair
Pra quem tem medo da chuva Deixe a vir Os ombros encharcar O rosto refrescar
Perder o medo da chuva Ciclo que começa e finda Ela pode ser forte Benfazeja e amiga
Limpar os olhos da alma Depois sentir o sol da calma Vou sair na chuva Perder o medo da vida.