Assim Você Mata o Papai - Uma crônica sobre o lixo musical na atualidade.


Uma vez ouvi que a cantora Nana Caymmi disse que se pudesse falar com Elis Regina, contaria que certas coisas não haviam mudado. Pois, se no tempo de Elis tinha a Gretchen com seu Conga Conga Conga, naquele momento o que estourava eram duas dançarinas Segurando o Tchan, sucesso grudento que infernizou os ouvidos nos anos 1990. Não sei se o episódio é real, mas ele retrata bem o fato de que sempre se ouviu e viu coisa ruim. Mas agora os níveis são preocupantes.

Fenômenos como os citados acima são normais na história do entretenimento. Alguém aparece fazendo algo descartável que fica nos ouvidos da massa, conquista as paradas de sucesso, ganha um caminhão de dinheiro e depois desparece. Na década de 1970, um cantor chamado Silvio Brito lançou Farofa, com um refrão peguento. Depois disso, ele e sua farofa desapareceram. A década de 1980 foi rica em junk music. Sérgio Mallandro com sua Vem Fazer Glu-Glu é um bom exemplo. Só não foi pior porque nesta mesma época começaram a aparecer as bandas de rock nacionais de maior expressão ― Titãs, Paralamas, Legião, Capital Inicial, Kid Abelha, Ira, etc. Graças à Deus, este período foi talvez o último verdadeiramente fértil de boa música no mundo. O que ajudou a limpar logo a sujeira.

Contudo, o que vemos atualmente é de entristecer. Se um dia tivemos Madona escandalizando por seus shows e performances eróticas, não podíamos declarar que a qualidade de suas músicas era ruim. Contemporânea de Madona ― e muito menos bem sucedida ― Cyndi Lauper teve uma versão de um de seus maiores sucesso, Time After Time, gravada por ninguém menos que Miles Davis. Hoje o contraponto de Madona é uma doida, que se veste com pedaços de carne, Lady Gaga. E Cyndi, com seu ar de menina de família tentando ser rebelde, talvez seja a antecessora de Miley Cyrus. Que já ficou maluca com o sucesso e logo teremos más notícias da mocinha. Hoje, o porto de garoto-prodígio da música internacional é ocupado por Justin Bieber, que faz shows auxiliado por um desavergonhado playback. Posto que já foi de Michael Jackson e de Stevie Wonder. No hip-hop, que era uma das maneiras de protesto dos negros americanos, o lance é xingar as mulheres, inclusive a própria namorada.

Pelos lados de cá, Michel Teló, que pelo menos colaborou para o equilíbrio da nossa balança comercial de lixo musical, por conta de sua Ai, se eu te pego. Uma multidão segura um tchum e um tcha, numa das manifestações mais irritantes que eu tenho notícia. A música, assim como qualquer expressão artística, é reflexo de uma sociedade. Se esta sociedade é pujante e rica culturalmente, o reflexo é direto em suas manifestações. Bons exemplos são a Semana de Arte Moderna de 1922 e a Tropicália. Hoje é praticamente impensável movimentos desta natureza em nosso país. Onde se questionaria os valores sociais e artísticos, com uma alternativa nova e rica de talentos e possibilidades. E parece que é esse o novo “esquema”. O ruim ganhou de vez o horário nobre. Regina Casé (já disse isso antes), em seu programa induz o público à confundir (acredito piamente que o faz de propósito) o popular com o ruim. Pedro Bial, que foi um dos maiores correspondentes internacionais do jornalismo brasileiro, se transformou no cicerone de imbecis trancafiados dentro de uma casa, em busca de sucesso imediato. Imediato, tudo é imediato. Reflexo de nossos tempos. Imediato, obsoleto precoce e descartável. É o que temos. Cuidado com o prazo de validade. “Assim, você mata o papai.” 

Comentários

  1. Alexson, gostei do texto, é bastante oportuno. Queria fazer apenas uma correçãozinha: Sílvio Brito não era o cantor de "Farofa-fá", e sim um cara chamado Mauro Celso. Brito era um su-sub-Raul Seixas que lançou "Pare o mundo que eu quero descer"' "Tá todo mundo louco, oba", "Chacrilongo" e outras bobagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo, valeu a lembrança. Mauro Celso interpretou a música. Silvio Brito a compôs e também interpretou. Um abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Atenção: Acusações insultuosas, palavrões e comentários em desacordo com o tema da notícia não serão publicados e seus autores poderão ter o envio de comentários bloqueado neste blog.
Pense antes de escrever. Assine depois de escrever

Postagens mais visitadas deste blog

Todos os Junhos do Ano

Brasil: Financiamentos versus Credibilidade

Cor da pele, a chave hermeneuta.