Eu e o governo

Eu estou na situação. Agora eu trabalho para o governo do Rio de Janeiro. Há mais dois meses fui nomeado para um cargo na Secretaria de Planejamento e Gestão e toco um projeto que é considerado estratégico para o órgão. Alguns ao lerem estas primeiras frases devem estar pensando que o ZAD vai afinar e perder uma certa acidez em seu gosto. A estes digo que não. Mas a todos digo que é uma experiência pela qual muitos deveriam passar.

Trabalhar para o governo, antes de qualquer coisa, tem o pressuposto de se trabalhar para a sociedade. E quem critica, deve fazer a sua parte, mesmo que pequena. Outro ponto interessante é constatar de muito perto que há pessoas sérias, com vontade genuína de melhorar as coisas — ou pleno menos tentar manter o que é bom. Após uma das primeiras reuniões das quais participei, uma pessoa se aproximou e me perguntou, com um largo sorriso: “Qual a sua impressão sobre o que está vendo? Você não sabia que existia gente séria na administração pública, confessa.” Tive que dar o braço a torcer ao constatar que minha impressão antes era pior do que a que comecei a ter depois que vi a coisa por dentro. Existem, sim, pessoas que estão comprometidas com resultados, que trabalham até mais tarde, que comem somente um sanduba na hora do almoço porque estão cheias de coisas pra fazer. Pessoas preparadas, com energia e visão de longo prazo. Gente que sabe que os mandatos acabam mas a sociedade permanece. Se essas pessoas são poucas ou muitas, é outra questão. Se falar das mazelas da administração pública vende mais jornal, é assunto para um outro post.

Um amigo uma vez me disse que trabalhar para o governo dá uma sensação de dever cumprido com o lugar que você mora. É verdade. Na análise de um estado como organismo, qualquer bem que se faça a esse corpo ajuda o bom funcionamento do todo. Quero fazer esse tal bem. Ganhei a oportunidade de fazer algo (mesmo que pequeno) pelo estado onde nasci, onde cresci e onde minha descendência nasceu, a terra que amo tanto. Não sei a extensão dos resultados do meu trabalho. Seja ela qual for, o que vale é saber que fiz a minha parte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Fila e a Oportunidade

Veraneou

Brasil: Financiamentos versus Credibilidade