Sessenta Anos do Rei Rubro-Negro

Te vi a centenas driblar
Pelos campos do mundo a correr
A jogadas genias fazer
E a alegria de uma nação fazer

Galinho de Quintino
Herói de homens em meninos
Em tardes dominicais
Com seus gols celestiais

Obrigado, Rei Artur Antunes
Líder de Junior, Adílio, Leandro, Andrade e Nunes
Me ajudaste a entender
O que é ser Flamengo até morrer

Se és para sempre da Gávea camisa dez
Que Deus permita tu esteja por muitos anos
Entre nós, teus súditos fiéis
Que o rubro, o negro, o branco e o caboclo
Saiba que para ti, sessenta anos é pouco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Fila e a Oportunidade

Veraneou

Brasil: Financiamentos versus Credibilidade