Quem passa e quem fica.


Existem pessoas que entram na nossa vida com uma finalidade específica. Ruim é achar que esta finalidade vai durar para sempre. Aí, tem a hora de assumir que é necessário algum tipo de separação.

Tem gente que só aparece para lembrar que você está vivo. Fica por aquele período e se vai. Outros vêm, ficam por anos, criam laços de amizade e de amor, mas com as mudanças naturais da vida (ou revelações naturais da vida), elas não cabem mais no espaço que tínhamos disponível. 

Isso se dá de muitas formas. É o filho que sai de casa para morar sozinho, é o profissional que muda de emprego, é o amor que se desgasta é um se vai. Isso que não quer dizer que viver com os pais seja insuportável, que o emprego seja uma tortura, nem que a relação à dois seja um desastre. Mas que o tempo, modelos e circunstâncias também podem se exaurir. Você vê que é mais saudável você ter seu canto com as suas regras, buscar um desafio profissional que lhe instigue ou que ,por mais bacana que seja o seu par, o que existe entre vocês é uma cômoda amizade. 

Sair de situações como essas nãos é nada fácil. Tem o medo de ferir, de deixar mágoas, de decepcionar e de fechar portas preciosas. Tem que ter coragem, e coragem não é todo mundo quem tem. Trocar o certo pelo duvidoso é difícil. Mesmo que seja um insosso certo por um saboroso duvidoso. 

Eis um grande desafio. Saber quem vem mas vai passar, quem veio para ficar e se qual o tempo de estadia de quem fica. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Fila e a Oportunidade

Todos os Junhos do Ano

Veraneou