De longe


Às vezes gosto de te observar de longe. Teus gestos livres do medo da vigilância. Teus movimentos distraídos e suaves. Tu nem sabes que te vejo e que contemplo cada centímetro da tua arquitetura. 

De longe, rio do teu riso. De teus olhos que se apertam niponicamente a cada gargalhar. Teus olhos... Ah, teus dois castanhos olhos. De longe são tímidas lanternas adornando teu rosto bem traçado.

De longe não te escuto, mas tenho a impressão de te ouvir e entender. Até de longe sinto o teu perfume. Lembro de ti, de longe... Sonho contigo, de perto. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Fila e a Oportunidade

Todos os Junhos do Ano

Veraneou