Amor Próprio

O amor próprio só não deve ser maior do que o amor a Deus. Ao ser perguntado sobre quais seriam os maiores mandamentos divinos, Cristo disse que amar a Deus era o maior deles, seguido por amar ao próximo "como a si mesmo". Em muitas situações negligenciamos o amor próprio. Por inseguranças, certo fascínio pelo outro ou mesmo medo de mudanças

A verdade é que o amor próprio é uma unidade de medida. Amar o próximo como a si mesmo nos leva a refletir sobre como estamos nos amando. Por exemplo, pessoas que amam a alguém ao ponto de esquecerem de si mesmas e anularem seus sonhos, desejos e personalidade, realmente ama o outro? Não seria dependência emocional, comodismo (econômico, inclusive), ou mesmo preguiça de encarar os fatos e partir para uma nova situação de vida?

Está métrica, o amor próprio, é essencial para aferirmos o que queremos de nós mesmos, do que podemos oferecer, até onde podemos ir e até onde fale a pena insistir em certas relações. 

Quem ama a si mesmo, ama melhor. E isso nã tem nada a ver com egoísmo. Egoísmo é outra coisa... 

Viva o amor próprio!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Fila e a Oportunidade

Todos os Junhos do Ano

Veraneou