Uma carta para minha mãe

Oi, mãe.

Quanto tempo!
A teologia me ensinou a acreditar que não teríamos mais contatos até o dia do juízo final. Mas o meu amor e a minha saudade me fazem acreditar que, por muitas vezes, já tivemos alguma forma de contato. Que digam os sonhos tão reais que tive com você... até o seu perfume eu senti. 

Por aqui, muita coisa acontecendo, mãe. Desde que você se foi, muita coisa mudou e muitas continuaram a mesma coisa, só que com nomes e personagens diferentes. As pessoas que você julgava não serem legais mostraram a que vieram. Quem você apostava todas as fichas provou que você estava certa. Decepções, algumas. A gente não acerta sempre. Lembra da última brincadeira que fizemos? Você disse que estava enjoada de marmanjos e que queria um neto. Ele veio, ou melhor, ela. Uma menina, linda, esperta, cheia de perguntas difíceis pra gente responder. Ela é a minha cara, magrinha como eu era na idade dela. Tem cachos dourados que reluzem à luz do sol. Vaidosa e adora dançar. Um dia desses ela me perguntou se quando ela virar anjo, ela vai te conhecer...

Sinto sua falta, mãe. A vida é boa, mas não é fácil, sou um sujeito feliz. Mas nem por isso estou livre de revezes. Depois do fim do casamento, o recomeço é sempre complicado. Eu tenho me refeito aos poucos, já andei muito e sei que ainda tem muito o que andar. Digamos que quando olho para trás me surpreendo com o que já caminhei. Sinto-me mais leve, mais inteiro, apesar das perdas. Me olho no espelho e vejo a mim mesmo. É uma reconquista. Já deu até para me apaixonar novamente. Mas, como você me conhece bem, sabe que não vou entrar em detalhes nesse assunto. Estou com bem menos cabelos... e eles estão ficando grisalhos. Em compensação, tenho me alimentado bem e estou com a saúde em dia. Há 8 anos comecei a participar de corridas de rua e me apaixonei pelo esporte. Fiz amigos, e até de maratonas eu participo. Sempre lembro de você quando vejo aquelas senhoras animadas, batendo palmas nos percursos. 

Estou escrevendo porque tem dias que a saudade bate forte. Acho que por conta da proximidade do dia das mães, eu fiquei mais sensível. É no próximo domingo, tudo que eu queria era poder encontrar você, deitar no seu colo por alguns instantes e me sentir em casa. A gente cresce, vê e experimenta muita coisa, mas sempre quer ter o carinho da mãe por perto. Ainda sinto cheiro da sua comida, ainda ouço você cantando os hinos do Cantor Cristão e as músicas da Dolores Duran e da Maysa pela casa. Até de seus exageros eu sinto saudades. 

Como disse antes, a teologia que me foi ensinada não me permite achar que essa carta vai chegar a você. Mas a sua falta e o amor que tenho por você são tão grandes, que eu estou dando um tempo com essa teologia. Sendo assim, resolvi mandar notícias.

Te amo muito mãe!

Um beijo,
Seu filho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Fila e a Oportunidade

Todos os Junhos do Ano

Veraneou